Rádio Muzangala

image-_7_
5ac2323ed1e2e5.99164219
Post_Radio_Muzangala_Ao_Site.png
ANUNCIE_-_CONNOSCO (1)
PROMOVA (1)
previous arrow
next arrow

ESCRITORES LANÇAM LIVROS SOBRE NETO NO MEMORIAL

 ESCRITORES LANÇAM LIVROS SOBRE NETO NO MEMORIAL

Memorial Dr. António Agostinho Neto

Duas obras literárias que abordam a dimensão cultural e política do Fundador da Nação são lançadas, hoje, às 16h30, no Memorial Dr. António Agostinho Neto, na Praia do Bispo, em Luanda, durante uma sessão de venda e assinatura de autógrafos.

Tratam-se das obras “Utopia: O pensamento político e outro afectos em amanhecer ”, de Akiz Neto, e “Agostinho Neto Dialéctica do Discurso Poético e Literário”, de David Capelenguela, cujos lançamentos estão inseridos no leque de actividades que o Memorial está a realizar para saudar o centenário de nascimento do seu patrono.

Em declaração, ontem, ao Jornal de Angola, David Capelenguela disse que na obra aborda em várias perspectivas a análise crítica de alguns poemas de Agostinho Neto ao longo do tempo.

O também secretário-geral da União dos Escritores Angolanos (UEA) revelou que, no livro “Agostinho Neto Dialéctica do Discurso Poético e Literário”, dá o seu ponto de vista sobre Agostinho Neto como poeta, artesão e inspirador compunha os seus textos poéticos.  

Para David Capelenguela, numa análise prévia, o livro é uma reflexão de tudo que extraiu da obra do Poeta Maior, nas várias vertentes culturais.  

Em “Utopia: O pensamento político e outros afectos em amanhecer – poesia de Agostinho Neto”, Akiz Neto faz uma abordagem crítica sobre a consciência nacionalista e de vanguarda anti-colonialista do poeta da nacionalidade, o Poeta Maior Agostinho Neto, somente do seu terceiro livro poético “Amanhecer “.

Em decorrência à análise crítica, adiantou, vamos ao encontro do pensamento de negritude e do nacionalismo, revelando sentimentos e razões filosóficas em torno da temática.

“O espírito de liberdade e de unidade estão plasmados na filosofia polissémica de Agostinho Neto”, disse o autor, acrescentado que recorrente a plurisutopia da linguagem de Neto, passa pelo encontro de 1 de Julho de 1970, com o Papa Paulo VI, entre Agostinho Neto, Amílcar Cabral e Marcelino dos Santos, cuja temática era a libertação de África.

“A distribuição dos velhos monumentos e a consequente construção de novos é uma revelação de Agostinho Neto, a tratar-se da Formação Social e Económico instaurado pelo colonialista. A actualização da questão Onomástica (antroponímia e toponímia) tendo em conta a filosofia social africano-angolana, enfim, um respaldo para as questões românticas associadas aos outros afectos como a religião, o colectivo de estudantes, memória e outros convívios adentro da filosofia política”, concluiu.

Rádio Muzangala

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relacionados

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE